Produção animal

  • Resumo: A produção animal é uma das atividades socioeconômicas mais importantes para o Semiárido brasileiro. Aliado a isso, essa região apresenta vocação natural e tradição na criação de animais, com destaque para os ruminantes (caprinos, ovinos e bovinos), aves, suínos, peixes e abelhas. Contudo, os sistemas produtivos são extensivos ou ultraextensivos e, na maioria das situações, não permitem a obtenção de índices zootécnicos ou de rentabilidade adequados, inviabilizando o sustento da propriedade rural, que, na maioria das vezes, é baseada em pequenos empreendimentos de base familiar. Diante desse cenário, ao longo de décadas, a Embrapa Semiárido, juntamente com diversas instituições parceiras, tem dedicado esforços na busca por alternativas para a criação de animais no Semiárido brasileiro, especialmente com relação ao manejo racional da vegetação nativa da caatinga, à busca por potenciais forrageiras da vegetação nativa a serem cultivadas e utilizadas para a alimentação animal e à adaptação do cultivo e utilização de forrageiras exóticas. Além disso, essa instituição, também, tem enfatizado os estudos para determinação do valor nutritivo e potencial alimentar dos resíduos agroindustriais ou coprodutos gerados na região e, por fim, a geração e desenvolvimento de modelos produtivos, como o sistema CBL (Caatinga, Búfel, Leguminosa) e o sistema Glória de produção de leite. Mais recentemente, a Embrapa Semiárido também tem atuado nas áreas de piscicultura e apicultura, com o objetivo de gerar modelos produtivos para essas atividades. Desse modo, o intuito deste capítulo será apresentar uma síntese das contribuições da Embrapa Semiárido para os sistemas de produção animal do Semiárido brasileiro. O capítulo apresenta uma síntese das contribuições da Embrapa Semiárido para o sistema de produção animal do semiárido brasileiro.

  • Resumo: O potencial dos sistemas de produção em integração no Brasil. Alternativas de uso de forrageiras em sistemas de ILPF. Uso de forrageiras em ILP. Uso de forrageiras em ILPF.

  • Resumo: Os sistemas ILP são altamente dinâmicos, podendo variar consideravelmente as respostas tanto das culturas anuais quanto nas plantas forrageiras, o que resulta em diferentes desempenhos dos animais. Portanto, as tomadas de decisões devem ser alicerçadas em conhecimento técnico-científico em cada fase dos processos envolvidos, principalmente aqueles que garantem à produção vegetal e animal do sistema planejado. Os sistemas integrados são mais uma ferramenta a disposição do setor produtivo, embora seja uma forma mais complexa de explorar a produção agrícola. O maior impacto está na possibilidade de unir a produção de grãos com a produção de carne, o que oferece alternativas com potencial de aumentar a produtividade e melhorar a estabilidade econômica do negócio. Com o benefício de, agora, o agropecuarista ter maior poder na tomada de decisão sobre o destino da produção. Além disso, existe a possibilidade de redução do uso de agroquímicos em razão da quebra dos ciclos de pragas, doenças e plantas invasoras. Produzir mais e melhor, com menos insumos e com menor utilização dos recursos naturais não é mais uma alternativa, mas uma necessidade. Nesse cenário, os sistemas de integração lavoura-pecuária podem colocar o Brasil na condição de grande produtor de alimentos com reduzido impacto ambiental.

  • Resumo: O animal no sistema com integração lavoura-pecuária-floresta. Manejo animal sob sistemas de integração.

  • Resumo: A ovinocultura na atualidade. Sistemas de produção de ovinos de corte. O pastejo integrado ovino-bovino visando a sustentabilidade. Controle da verminose ovina em sistemas de produção em integração. Produção ovina em sistemas de integração.

Associadas Rede ILPF

Secretaria Executiva