soyabens

  • Resumo: Camadas compactadas de solo tornam a soja mais vulnerável a decréscimos de produtividade sob condições de seca. Visando avaliar o efeito de forrageiras tropicais sobre a qualidade física do solo, determinou-se a resistência do solo à penetração (RP), em um sistema de integração lavoura-pecuária (ILP) manejado sob plantio direto e conduzido, desde o verão de 2007, como unidade de validação de tecnologia em uma propriedade rural localizada em Querência, região nordeste do Mato Grosso, sobre um Latossolo Vermelho-Amarelo (300 g kg-1 de argila). Em dezembro de 2008, avaliaram-se três das cinco fases que compõem o sistema testado: pastagem de Brachiaria brizantha de 1o ano, pastagem de B. brizantha de 2o ano e soja (onze cultivos sucessivos). Os resultados evidenciaram uma maior RP (0,1-0,4 m) para a área com onze cultivos sucessivos de soja comparativamente às áreas sob pastagem. Os valores de RP na área de soja foram superiores ao considerado limitante ao desenvolvimento dessa cultura (3,5 MPa), o que não se repetiu nas áreas sob pastagem de B. brizantha. A perda de vigor da pastagem, associada ao efeito cumulativo do pisoteio animal, resultaram em maiores valores de RP na camada de 0,1-0,2 m para a pastagem de 2o ano, em relação à de 1o ano. Conclui-se que o uso de forrageiras tropicais em sistemas de ILP melhora a qualidade física do solo, proporcionando, em um ano, a eliminação de camadas compactadas produzidas pelo uso contínuo do solo com soja.

  • Resumo: No sistema ILPF (integração lavoura-pecuária-floresta), há um grande número de espécies vegetais conduzidas ao mesmo tempo e a permanência de componentes no sistema podem servir como habitat ou hospedeiros para pragas e doenças (Oliveira et al., 2005), porém ainda faltam estudos sobre as doenças que possam se desenvolver nesse sistema. A maior preocupação no manejo de doenças no sistema ILPF, é a ocorrência de patógenos como Sclerotinia sclerotiorum, Fusarium sp. e Rhizoctonia sp., que por possuírem vários hospedeiros poderiam se disseminar no sistema. A introdução dos mesmos pode ocorrer via sementes e mudas contaminadas e a sobrevivência se dá através de estruturas de resistência. Com base nessa preocupação, durante o período de execução do projeto, houve o monitoramento de dos patógenos presentes nos grãos de soja.

Associadas Rede ILPF

Secretaria Executiva