Para trazer mais agilidade ao produtores e aumentar a produtividade, a Embrapa vem criando tecnologias que facilitam o planejamento e a tomada de decisão. Um exemplo são os softwares da família SIS, que são usados em larga escala em plantios florestais homogêneos e são disponibilizados gratuitamente no site do órgão. Em média, a Embrapa Florestas registra de 200 a 300 downloads por mês, por empresas brasileiras e do exterior e um público variado, formado por estudantes, engenheiros agrônomos, florestais e ambientais, consultores, pesquisadores e diretores ligados ao ramo florestal.

Segundo Edilson Batista de Oliveira, pesquisador da Embrapa Florestas, os softwares são bastante populares e têm uma série de aplicações, como avaliação técnica e econômica, certificação, carbono, ILPF, inventário florestal, manejo integrado de pragas, manejo florestal sustentável e planejamento florestal. Também servem para simular, por exemplo, crescimento e produção anual sem desbaste e com desbastes. Eles são utilizados para fazer simulações para manejo florestal de precisão.

“Antes, não se sabia o que poderíamos ter de resposta com um determinado tipo de manejo. Mas, agora, o programa dá o sortimento da madeira com base em tudo o que é colhido. Basta colocar dados do inventário e manejo e o programa gera diversas tabelas, entre elas a de sortimento, por classe de diâmetro”, explicou.

Dentro da tecnologia, disponível para inúmeras espécies, é possível encontrar diversos itens, como manual, análise econômica, sistema de produção e renda, equações para sortimento, vídeo e explicações sobre os softwares. Além disso, foram acrescentados diagramas de manejo por densidade, com a contribuição de uma turma da Universidade de Santa Maria. Assim, pode-se obter uma faixa que mostra o máximo que é recomendável para ter um povoamento para fazer desbaste e também o mínimo, isso em função de buscar um manejo priorizando a produção de toras pra finalidade industrial ou serraria.

Outra ferramenta disponível é o SATVeg (Sistema de Análise Temporal da Vegetação), também de uso gratuito, destinado à observação e análise de perfis temporais de índices vegetativos (NDVI e EVI), que expressam as variações da biomassa vegetal na superfície terrestre ao longo do tempo, oferecendo apoio a atividades de monitoramento agrícola e ambiental. Os índices gerados permitem ao usuário observar o comportamento da vegetação na superfície terrestre ao longo do tempo. O SATVeg fornece apoio na identificação do uso e cobertura da terra, bem como suas transições ao longo do tempo. “Esses índices auxiliam o governo com relação à legislação ambiental, como por exemplo no acompanhamento do reflorestamento pelo Novo Código Florestal”, destacou Vinícius Kuromoto, analista de transferência de tecnologia da Embrapa Informática Agropecuária.  

Ainda segundo Kuromoto, também foi criado, em uma parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e o Ministério do Meio Ambiente, o GeoPortal TerraClass, um ambiente virtual que organiza informações de uma série de mapeamentos realizados pelo projeto de pesquisa TerraClass nas áreas desmatadas do bioma Amazônia. Com a ferramenta, é possível identificar e analisar as dinâmicas do uso da terra na região, permitindo, de maneira rápida, compreender os principais fatores que determinam as mudanças naquele bioma, trazendo maior clareza à criação e execução de políticas públicas voltadas à região.

“Dentro do GeoPortal Terraclass, existe o serviço chamado Webgis Terraclass, que é um sistema que permite ao usuário visualizar e manipular mapas da série histórica do projeto Terraclass de maneira interativa, rápida e fácil”, complementou.

Com relação à arborização de pastagem, a Embrapa, em parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), desenvolveu o Arbopasto, um aplicativo que auxilia o produtor a escolher as espécies de árvore mais adequadas a cada pastagem. A tecnologia disponibiliza informações de 51 espécies arbóreas nativas da Amazônia Ocidental de forma rápida, por meio de uma série de funcionalidades, como filtros de busca para a procura por espécies considerando suas principais características. A ferramenta está disponível no GooglePlay, para dispositivos que operam com Android, e também pode ser acessado na internet por celulares, tablets, computadores e até Smart TVs com qualquer sistema. Ana Karina Salman, pesquisadora da Embrapa Rondônia, disse que “o Arbopasto é uma ferramenta indispensável para técnicos e produtores rurais planejarem a introdução do componente arbóreo em área de pastagem com as espécies mais adequadas”.

No campo da erva-mate, existem três aplicativos disponíveis: o Planin-Matte, que faz análise econômica dos plantios no Sul do Brasil; o Manejo-Matte, que tem a função de realizar diagnósticos de ervais plantados e sugerir melhorias no manejo; e o Ferti-Matte, que, a partir das informações da análise do solo adicionadas à ferramenta, faz a interpretação dos dados e entrega um cálculo sobre a recomendação dos macro nutrientes que determinado plantio necessita.  

De acordo com Ives Goulart, engenheiro agrônomo do setor de Inovação da Embrapa, no Planin-Matte, o técnico ou o produtor vão ao campo, analisam o talhão e respondem a perguntas práticas e objetivas sobre aquele talhão. A partir daí, o aplicativo processa os dados e prepara um diagnóstico, apontando quais são as melhorias que o produtor pode fazer no talhão. “Com esses aplicativos voltados para a erva-mate, o produtor consegue fazer toda a gestão dos plantios, ganhando tempo e aumento de produtividade”, garantiu Goulart.   

Confira os softwares disponíveis em http://www.cnpf.embrapa.br/software/

Acesse o SATVeg em https://www.satveg.cnptia.embrapa.br/

Conheça o GeoPortal TerraClass em https://www.terraclass.gov.br

Saiba mais sobre o Planin-Matte, Manejo-Matte e o Ferti-Matte em https://www.embrapa.br/en/florestas/transferencia-de-tecnologia/erva-mate/aplicativos

 

Para mais notícias, acesse: www.embrapa.br

Associadas Rede ILPF

Secretaria Executiva