Animais aproveitam o conforto térmico da sombra das árvores

A incidência de verminoses em gado de corte em sistema silvipastoril (pecuária-floresta) não é maior do que na pecuária exclusiva. A conclusão é de uma pesquisa que acaba de ser encerrada na Embrapa Agrossilvipastoril, em Sinop (MT). A informação contraria a hipótese inicial de que as condições microclimáticas no sistema silvipastoril poderiam favorecer a ocorrência de vermes.

Esse resultado mostra que, nos sistemas de pecuária integrada com árvores, o controle de verminoses não precisa ser diferente em relação à pecuária tradicional. O número de dosagens de vermífugos deve ser o mesmo em ambos os sistemas de produção.

A soja é mais tolerante à sombra das árvores em um sistema de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) do que o milho. Essa é uma das conclusões da avaliação de cinco anos de diferentes configurações de sistemas integrados realizada no maior experimento de ILPF conduzido pela Embrapa, em Sinop (MT).

De acordo com resultados publicados por pesquisadores da Embrapa Agrossilvipastoril (MT), a lavoura de soja só apresentou redução na produtividade devido à menor incidência de sol a partir do quarto ano de implantação dos sistemas. Já o milho, cultivado em segunda safra, apresentou queda da produtividade desde o terceiro ano agrícola.

 

Gabriel Faria - Integrar lavoura, pecuária e floresta diversifica investimentos e reduz riscos financeiros ao produtor

Integrar lavoura, pecuária e floresta diversifica investimentos e reduz riscos financeiros ao produtor

 

A diversificação de culturas proporcionada pelos sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) reduz os riscos de mercado e garante maior segurança para os produtores. A comprovação foi feita por pesquisadores da EmbrapaRede ILPF e Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Em um trabalho inédito, eles mostram que os sistemas integrados são menos sensíveis às variações de preços das commodities do que sistemas produtivos exclusivos de lavoura ou de pecuária.

Tomando como base os dados econômicos de uma Unidade de Referência Tecnológica de ILPF localizada no município de Barra do Garças (MT) e dados de fazendas de referência para a região, uma de agricultura e outra de pecuária (cria), os pesquisadores fizeram testes de sensibilidade. Simularam o impacto de diferentes variações de preços da soja, milho e da arroba de boi em cada propriedade. Os cenários variaram desde a queda no preço em 15% até o aumento em 15%.

 

Com uma produtividade de até 32 arrobas por hectare em um ano, o sistema de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) conseguiu uma produtividade cinco vezes maior do que a média nacional e oito vezes maior do que a média de Mato Grosso. O resultado foi obtido no primeiro ano de avaliação do componente animal na Embrapa Agrossilvipastoril, em Sinop (MT).

A área avaliada conta com pasto de Brachiaria brizanthacv Marandu semeado após dois anos de lavouras de soja na safra e milho consorciado com braquiária na safrinha. Além disso, a área possui a cada 37 metros uma linha de eucalipto. As árvores proporcionam a ciclagem de nutrientes no sistema e acesso à sombra aos animais da raça Nelore.

Novilhas serão avaliadas em quatro diferentes sistemas produtivos

Pesquisadores da Embrapa Agrossilvipastoril (Sinop, MT) estão iniciando uma nova etapa nas pesquisas com pecuária de corte em sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF). Após avaliar por três anos o ganho de peso de machos, os trabalhos agora serão direcionados a acompanhar novilhas da raça nelore.

A pesquisa é realizada por meio de uma parceria entre a Embrapa e as Associações de Criadores de Mato Grosso (Acrimat) e do Norte de Mato Grosso (Acrinorte). A Acrimat ajuda no custeio da manutenção do rebanho, já a Acrinorte fornece os animais, que são cedidos temporariamente por pecuaristas associados.

 

Os sistemas integrados de produção agropecuária, como a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) trazem benefícios agronômicos, ambientais, sociais e econômicos para os produtores. Entretanto, por serem mais complexos, exigem também maior atenção e mais cuidados.

Atualmente, mais de 11,5 milhões de hectares no Brasil já são cultivados com alguma configuração de ILPF. O aumento constante na adoção demonstra um domínio da tecnologia cada vez maior por parte dos produtores.

Entretanto, as experiências já existentes mostram alguns erros que podem ser evitados por quem está começando a trabalhar com a integração.

Confira abaixo alguns desses erros e veja como fazer para não cometê-los.


Pesquisadores na área experimental de ILPF 

É possível integrar lavoura, pecuária e floresta em outros países da América do Sul? Essa foi a resposta que sete pesquisadores de países vizinhos vieram buscar em visita à Embrapa Cerrados. 

No último dia 21, pesquisadores do Instituto Nacional de Innovación Agraria (Inia), do Peru, do Instituto Nacional de Investigaciones Agropecuarias (Iniap), do Equador, e da Corporación Colombiana de Investigación Agroecuaria (Agrosavia), da Colômbia, conheceram o impacto das tecnologias na mudança do cenário agropecuário da região. Os sistemas integrados, especialmente, são o que mais despertam interesse entre os visitantes. 

A visita pelo campo experimental, guiada pelo pesquisador Lourival Vilela, suscitou dúvidas, comentários e impacto entre os visitantes. Vilela descreveu como foi o processo de implantação das áreas de pesquisa na Embrapa Cerrados e na Embrapa Agrossilvipastoril, as dificuldades enfrentadas e os desafios que surgem a cada etapa. Falou ainda dos resultados que estão sendo mensurados no Brasil e viabilidade de implantação em outros países. 

Na quinta-feira (28), a Rede ILPF promoveu uma Reunião Técnica sobre Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) que reuniu no Hotel Ecologic Ville Resort, em Caldas Novas (GO), produtores rurais e consultores técnicos convidados, além de representantes das empresas que compõem a Rede. O encontro antecedeu o Dia de Campo sobre ILPF realizado na sexta-feira (29), na Fazenda Santa Brígida (Ipameri/GO) (leia aqui).

“A gente conseguiu desenvolver uma agricultura baseada em ciência e o Brasil precisa se orgulhar disso, pois é para poucos países do mundo”, afirmou durante a Reunião Técnica o representante da Embrapa na Rede ILPF, Renato Rodrigues, pesquisador da Embrapa Solos e presidente do Conselho Gestor da Rede. Ele destacou na ocasião a publicação recém lançada pela Embrapa “Agricultura movida à ciência” (acesse aqui).

A Associação Rede ILPF lançou nesta segunda-feira um edital para financiamento de propostas de Unidades de Referência Tecnológica (URTs), Unidades de Referência Tecnológica e de Pesquisa (URTPs) e apoio a eventos técnicos e científicos relacionados aos sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta.

Esta é a primeira vez que a parceria público privada da qual a Embrapa faz parte abre chamadas para seleção de propostas. Até o ano passado, a instituição financiava ações vinculadas a um único projeto em rede no então macroprograma 4.

Você sabe o que é realidade virtual e realidade aumentada? A revolução tecnológica está cada vez mais presente no cotidiano do produtor rural, contribuindo não somente para o aumento de produtividade das fazendas, como também para a capacitação de jovens e adultos que buscam entender mais sobre um sistema produtivo que é especialidade brasileira, a integração lavoura-pecuária-floresta.

Página 3 de 4